Versão de demonstração do Elementare Gestão Empresarial liberada para download!

Data: 17 de Fevereiro de 2014 postado por Ismael

Esta versão conta com todos os módulos disponíveis do sistema habilitados para o uso.

Para fazer o download, basta acessar o link abaixo.
>> Download Demo <<

Desfrute de todas as funcionalidades do Elementare Gestão Empresarial e confira os benefícios que ele trará para sua empresa!


Sped: cinco novos documentos a caminho

Data: 13 de Fevereiro de 2014 postado por Ismael

Nota Fiscal eletrônica (NF-e) 3.10, Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor (NFC-e), Conhecimento de Transporte eletrônico (CT-e) 2.0, Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) e Manifestação do Destinatário. Além do eSocial e da Escrituração Contábil Fiscal (ECF), estes são os cinco principais documentos fiscais que movimentarão o ambiente corporativo em 2014.

“Cada uma dessas obrigações trará profundas transformações ao país. Para as empresas, demandará mais investimentos em tecnologia da informação e em capacitação de mão de obra. Para os profissionais, significará uma maior procura por treinamentos”, exemplifica Juliano Stedile, especialista em documentos fiscais eletrônicos da Decision IT, ao resumir os impactos presumíveiscom as próximas novidades do Sistema Público de Escrituração Digital.

A versão 3.10 do leiaute da Nota Fiscal eletrônica (NF-e), por exemplo, certamente vai simplificar os processos e sistemas de emissão de documentos fiscais eletrônicos das empresas, permitindo ganhos sistêmicos nas organizações. A versão 2.00 da NF-e será desativada em dezembro deste ano, mês em que as empresas já deverão estar totalmente adaptadas.

“O padrão da Nota Fiscal eletrônica proporcionará novas formas de comunicação entre o contribuinte e as secretarias de Fazenda, trazendo consideráveis melhorias de desempenho para ambos. Os emitentes com maior volume de NF-e e/ou NFC-e certamente reduzirão investimentos em infraestrutura decorrentes do crescimento das operações”, explica Stedile.

Outro documento prestes a ser implantado é a Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor (NFC-e). Legislada individualmente pelos Estados, ela flexibiliza a utilização de equipamentos de frente de caixa e reduz os custos com homologação ou aquisição de sistemas homologados por programas do governo (PAF-ECF, SEF etc.).

De acordo com o especialista, 2014 verá a massificação deste projeto, que já conta com a adesão de 11 unidades da federação, com entrada prevista em mais cinco. “Já há obrigatoriedade no Acre, Amazonas e Mato Grosso, mas estados como o Rio Grande do Sul devem aderir ainda este ano.”

Segundo ele, espera-se uma adesão em grande escala das empresas à NFC-e, até mesmo de forma voluntária,devido às suas vantagens estratégicas e competitivas em relação ao atual cupom fiscal.

Em desenvolvimento desde 2006, o Conhecimento de Transporte eletrônico (CT-e) também vai ser fonte de cuidados especiais este ano, ao entrar em sua segunda geração. A versão 2.0 do CT-e exigirá um esforço maior de adaptação das empresas emissoras deste documento, pois traz como novidade a utilização de eventos vinculados ao documento eletrônico.

“O CT-e proporcionará mais controle e segurança no monitoramento do transporte de cargas, seja ele rodoviário, aquaviário, ferroviário ou aéreo. Entre as várias mudanças, destaca-se a emissão de Carta de Correção eletrônica, que passa a ser possível nesta versão do CT-e. A opção de registro multimodal ficará disponível, simplificando a emissão e o controle dos CT-e que acobertam transporte envolvendo mais de um modal de transporte”, comenta o especialista em documentos fiscais eletrônicos da Decision IT.

Obrigatório desde janeiro deste ano para algumas empresas e voltado à carga transportada para operações interestaduais, o Manifesto de Documentos Fiscais eletrônicos (MDF-e), por sua vez, deverá ser utilizado pelos contribuintes do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

“Este projeto deve ganhar muita visibilidade, pois trata de uma obrigação que anteriormente era exclusiva das transportadoras de cargas e que, no meio eletrônico, passou a ser exigidatambém das empresas que possuem frota própria; arrendada, ou que contratem profissionais autônomos”, esclarece Stedile.

Por fim, as empresas terão de se adaptar à Manifestação do Destinatário,evento do projeto da Nota Fiscal eletrônica que permite ao destinatário da NF-e confirmar a sua participação na operação acobertada pela NF-e emitida para o seu CNPJ. “Este projeto é fundamental para as empresas, pois envolve eventos como ciência/confirmação da operação, operação não realizada (recusa) e desconhecimento da operação”, destaca.

Todas essas mudanças aumentarão a complexidade, mas também a robustez do ambiente do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED). “A comunicação e a relação entre empresas e autoridades tributárias melhorarão sensivelmente nos próximos anos, proporcionando ainda mais segurança fiscal nas operações comerciais”, reforça o especialista da Decision IT.

Fonte: Decision IT


Mercado de Telecom e TI deve crescer 9,2% em 2014

Data: 05 de Fevereiro de 2014 postado por Ismael

O mercado brasileiro de telecomunicações e tecnologia de informação, que envolve a comercialização de aparelhos, programas e serviços, deve crescer 9,2% neste ano, de acordo com projeção da consultoria multinacional IDC. Em 2013, o mercado brasileiro teve alta de 9,5%, patamar superior ao dobro da média global, que ficou em 4,0%. Com isso, o Brasil se consolidou como o quarto maior mercado do mundo no segmento, atrás apenas de Estados Unidos, China e Japão.

"Somos um dos países que mais cresce no mundo", afirmou Alexandre Campos, diretor de pesquisa e consultoria para consumo da IDC. "O mercado é crescente e está aquecido, inclusive descolado do crescimento do PIB nacional", completou, referindo-se ao ritmo mais lento de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, na faixa de 2,0% ao ano.

Campos avaliou que o mercado está saudável e que a previsão de crescimento em 2014 um pouco abaixo de 2013 se deve ao efeito de valorização do dólar, que interfere na importação de componentes usados na fabricação de computadores e celulares. Outro ponto é que a base de comparação é maior ano a ano, levando a um ritmo de expansão porcentual mais moderado.

A projeção de crescimento de 9,2% do setor em 2014 deve ser puxada pelos programas (softwares), com perspectiva de alta de 11%. Em seguida vêm os serviços, com 10%, e aparelhos (hardwares), com cerca de 8,0%. "As empresas e os consumidores comuns estão procurando aparelhos, softwares e serviços", apontou Campos, destacando principalmente o acesso de pequenas e médias empresas à tecnologia para ganho de produtividade, antes mais recorrente apenas entre as grandes companhias.

Fonte: Jornal do Comércio


Elementare Software inicia trabalhos com testes Automatizados

Data: 19 de Dezembro de 2013 postado por Ismael

É com enorme satisfação que a equipe da Elementare anuncia aos seus clientes que está sendo realizado um trabalho de testes automatizados na ferramenta Elementare Gestão Empresarial.

Mas e o que isso significa?!

Significa que antes de ser liberada uma nova versão do Elementare Gestão Empresarial, o software passa por inúmeros testes e validações de forma automatizada nas principais rotinas do sistema, simulando ações de usuários. Caso seja encontrada uma falha ou inconsistência, ela é corrigida antes mesmo de ser disponibilizada para atualização nos clientes.

Desta forma, as chances de erros acontecerem nos clientes tornam-se muito baixas. Com isso a Elementare Software disponibilizará aos seus clientes uma ferramenta com muito mais qualidade, e com a satisfação desejada.


Nota Fiscal Eletrônica chega ao varejo em 2014

Data: 19 de Novembro de 2013 postado por Ismael

Proposta da Secretaria Estadual da Fazenda é massificar a implantação do novo sistema entre os lojistas gaúchos

Nestor Tipa Júnior

A partir de 2014, a Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul vai intensificar o uso da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) na rede varejista. O objetivo da medida é trazer para os lojistas redução de custos e agilidade nos processos vinculados ao controle dos documentos fiscais emitidos. A expectativa é que o novo formato de controle possa beneficiar cerca de 240 mil empresas varejistas do Estado.

A NFC-e deve substituir gradativamente a emissão por papel. O modelo é semelhante ao da Nota Fiscal Eletrônica, que já é adotado entre as empresas. O sistema contará com uma imagem de QR Code em cada documento, possibilitando a interação do consumidor com a Secretaria da Fazenda. Em alguns casos os consumidores poderão receber as notas fiscais por e-mail ou então consultar diretamente no site da secretaria.

Segundo o subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, o governo quer trabalhar na massificação do sistema entre o setor varejista como forma de incentivar o uso da NFC-e. Explica que a medida vai beneficiar tanto consumidores, com a agilidade no atendimento, quanto a própria Receita, evitando sonegação. “Para as empresas, também traz redução de custos e um redesenho do processo de vendas. Cada vendedor será um caixa também. Para o Fisco, é a atualização em tempo real, o que nos permite combater a sonegação fiscal”, detalha.

Pereira estima que algumas empresas poderão ter até 50% de redução de custos na operação de venda com a adoção da NFC-e. Projetos-pilotos já foram elaborados por redes varejistas como a Paquetá, que utilizou o sistema em duas lojas entre julho e outubro. De acordo com o gerente corporativo de sistemas de TI da rede, Gervásio Scheibel, o processo teve aceitação entre consumidores e vendedores. “O cliente será atendido por uma única pessoa e elimina aquele momento da fila para fazer o pagamento. A venda será feita em uma única operação”, salienta.

A empresa pretende investir R$ 5 milhões para automatizar todas as unidades de varejo. Mas Scheibel esclarece que alguns pontos, como a relação trabalhista dos vendedores das lojas, precisam ser reformulados.

Além do Rio Grande do Sul, estados como São Paulo, Sergipe, Amazonas e Maranhão também estão implantando a NFC-e. Todos estiveram reunidos ontem no lançamento do sistema no Rio Grande do Sul em evento realizado no Centro de Eventos do Plaza São Rafael, em Porto Alegre. “Com essa medida vamos facilitar a vida dos contribuintes e ao mesmo tempo combater a concorrência desleal que temos com a sonegação”, afirma o secretário da Fazenda do Rio Grande do Sul, Odir Tonollier.

Fonte: Jornal do Comércio